ATLAS da Violência 2018 – Políticas Públicas e Retratos dos Municípios e ATLAS da Violência 2019
4 de junho de 2019
Encontro no IFSC discutiu projetos de ressocialização no sistema prisional
14 de junho de 2019

Violências Contra a Mulher I – Dados, relatórios e análises – Homicídios

Observatório de Violências e Segurança Pública disponibiliza uma série de informações sobre violência contra  mulher – Homicídios

Veja aqui uma série de dados e informações sobre os diversos tipos de violências sofridas por questões de gênero. As informações possuem uma visão global, nacional, estadual e regional sobre o assunto, proporcionando de modo prático o acesso as principais fontes de dados e análises sobre a vitimização de mulheres.

Poderão ser encontrados:

  • Links
  • Relatórios
  • Bases de dados
  • Análises
  • Infográficos

 

Dados do Brasil sobre violência contra a mulher

FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Relatórios, análises e estudos: http://www.forumseguranca.org.br/publicacoes/visivel-e-invisivel-a-vitimizacao-de-mulheres-no-brasil-2-edicao/

Banco de dados e estatísticas: http://www.forumseguranca.org.br/estatisticas/introducao/

 

IPEA – Atlas da Violência (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas)

Relatórios, análises e estudos: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/artigos/3/violencia-por-raca-e-genero

Banco de dados e estatísticas: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/filtros-series/3/violencia-por-raca-e-genero

 

Mapa da Violência (FLACSO)

Relatório, análises e estudos: https://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2015_mulheres.php

Banco de dados e estatísticas: https://www.mapadaviolencia.org.br/index.php

 

Monitor da Violência

Reportagens, informações e estudos: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2019/03/08/cai-o-no-de-mulheres-vitimas-de-homicidio-mas-registros-de-feminicidio-crescem-no-brasil.ghtml

Banco de dados e estatísticas: http://especiais.g1.globo.com/monitor-da-violencia/2018/feminicidios-no-brasil/

 

Santa Catarina – SSP/SC (Secretaria de Segurança Pública do Estado)

Relatório, análises e estudos: não possui.

Banco de dados e estatísticas: http://portal.ssp.sc.gov.br/sspestatisticas.html

 

Dados de Santa Catarina e da Microrregião de Chapecó

 

Vejamos primeiramente os números absolutos sobre a violência contra a mulher no estado e na microrregião de Chapecó, para na sequência considerar as taxas de homicídios dolosos nestas e em outras regiões do país.

Gráfico 1: Violência contra a mulher – Homicídio doloso – Santa Catarina e Microrregião de Chapecó- 2010 a 2018

Fonte: Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina (SSP/SC), organizado pelos autores.

 

Gráfico 2: Violência contra a mulher – Homicídio doloso, violência doméstica, latrocínio e lesão corporal seguida de morte – Santa Catarina – 2010 a 2018

Fonte: SSP/SC, organizado pelos autores.

Gráfico 3: Violência contra a mulher – Homicídio doloso, violência doméstica, latrocínio e lesão corporal seguida de morte – Microrregião de Chapecó – 2010 a 2018

Fonte: SSP/SC, organizado pelos autores.

 

As Taxas de Homicídios Contra a Mulher em Santa Catarina e na Microrregião de Chapecó

Considerando o tamanho da população catarinense, obviamente o número de registros de homicídios e outros crimes contra as mulheres são maiores do que na Microrregião de Chapecó, dessa forma, precisamos considerar as taxas de homicídios, pois a magnitude do fenômeno e de suas variações pode ser mais bem aferida em termos da taxa de homicídio por grupo de 100 mil mulheres, que permite maior comparabilidade temporal e entre as diferentes unidades territoriais.

Assim sendo: (1) onde estão as maiores taxas de homicídios dolosos contra as mulheres, em Santa Catarina ou na Microrregião de Chapecó? Além disso, (2) como está a situação da violência contra a mulher no estado e na microrregião em relação ao Brasil e a outras Unidades da Federação?

(1) Com relação a primeira pergunta, as taxas de assassinato contra as mulheres geralmente são maiores na Microrregião de Chapecó (doravante MC) do que em Santa Cataria (doravante SC). No período considerado (2010 a 2018), apenas em 2010 e em 2012 SC apresentou taxas maiores, em todos os outros períodos considerados a microrregião apresentou taxas mais elevadas (não vamos considerar 2018 pois não houve registro nos quatro últimos meses do ano). Destaque negativo para o aumento contínuo nas taxas de homicídios contra as mulheres na MC entre os anos de 2014 (4,9 por 10 mil mulheres) e de 2017 (6,4 por 10 mil mulheres), além disso, a taxa de homicídio na microrregião aumentou mais de três vezes entre 2010 (2,0 por 10 mil mulheres) e 2017 (6,4 por 10 mil mulheres). O gráfico abaixo ilustra a evolução histórica das taxas de homicídios dolosos contra as mulheres.

 

Fonte: SSP/SC, organizado pelos autores.

No total, entre 2010 e 2018, cerca de mil mulheres foram mortas em SC (924) e 75 na MC, em relação as mortes na microrregião, mais da metade (58,6%) delas ocorreram no município de Chapecó (44). Por outro lado, precisamos destacar que 22 dos 38 municípios da Microrregião de Chapecó não registraram nenhum homicídio doloso contra a mulher e 6 municípios registraram um homicídio.

 

(2) Com relação a segunda questão, comparamos as taxas de homicídios contra as mulheres em SC e na MC em relação as taxas do Brasil e a de outros dois estados brasileiros, um deles com a maior taxa de homicídios e outro com a menor. Vale destacar que a cidade de Chapecó também foi considerada por ser município polo da microrregião.

Conforme os dados analisados, com foco no ano de 2017, o estado de Roraima foi a unidade da Federação com a maior taxa de assassinatos, que chegou a 10,6 para cada 100 mil mulheres e o estado com a menor taxa foi o de São Paulo, com 2,2 assassinatos para cada 100 mil mulheres. Considerando o enfoque regional, a MC apresentou uma taxa de homicídios contra as mulheres de 6,4, enquanto que no seu município sede, Chapecó, a taxa foi mais alta, de 8,6 para cada 100 mil mulheres. Com relação as estes dois últimos recortes, SC ficou com uma taxa mais baixa, de 3,5 para cada 100 mil mulheres. Destaque para as taxas da cidade de Chapecó e de sua microrregião que ficaram mais altas que a taxa brasileira, indicando que a violência contra a mulher é proporcionalmente maior na região. Além disso, se o município de Chapecó fosse comparado com todas as Unidades da Federação ele seria o segundo com a maior taxa de homicídios contra as mulheres. Vejamos o gráfico abaixo que ilustra algumas das informações tratadas acima.

 

Fonte: SSP/SC (Santa Catarina, Micro de Chapecó e Chapecó) e Atlas da Violência – 2019 (Brasil, São Paulo e Roraima); organizado pelos autores.

Acesse a base de dados em Excel com informações para cada município da Microrregião de Chapecó e explore os dados de acordo com seu interesse de pesquisa.

 

Clique no link abaixo e acesse a base de dados da Microrregião de Chapecó – SC

Banco de dados Violência contra a mulher SC – Outros crimes – SC e MC – 2010 a 2018 – 01

 

Vejamos mais alguns dados com informações sobre o Brasil, as Unidades da Federação e também sobre outros países.

Vitimização contra a mulher – Brasil 2019 – FBSP

Vitimização contra a mulher – Brasil 2018 – FBSP

 

Violência contra a mulher – Brasil 2017 – FBSP

 

Evolução das taxas de homicídios contra a mulher – Brasil – 2003 a 2013

Acesse aqui ou clique na imagem e baixe o relatório completo

 

Violência contra mulher: Indicadores Estaduais – 2017 – 2013 e 2014

 

 

Clique aqui ou no gráfico acima e acesse o relatório completo

 

Ranking de países

 

Mais informações e dados sobre vitimização feminina em diversas partes do mundo, acesse o link abaixo da Organização Mundial da Saúde/ONU:

Relatórios, análises e estudos: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/violence-against-women

Base de dados e estatísticas: https://www.who.int/gho/women_and_health/violence/en/